Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2005

_a espada [conto - nova versão]

Eu saia da Rua Direita em um domingo que a cidade estava vazia. O centro é sempre melhor nos finais de semana. A vida passa e a gente consegue perceber. Há poucos casais passeando, alguns turistas conhecendos prédios históricos e suas histórias ou seguindo o roteiro gastronômico da cidade. Não me lembro bem porque estava lá, mas não era por nenhum destes motivos. Talvez um encontro. Não sei. Mas estava. Subi pela Praça da Sé até a João Mendes. Nenhum advogado circulava ali. Eu estava em outros pensamentos, ruminava algo, quando me deparei com a minha espada. Ela estava exposta em um antiquário ao lado de uma velha liraria de esquina que perdura à poluição. Não tive muita certeza, mas parecia a minha espada. Estava um pouco desgastada pelo tempo, com algum zinabre na bainha e escurecida em outros pontos. Seu fio não devia ser mais o mesmo, mas acho que nunca foi afiada a não ser quando foi realmente utilizada. Lembro-me a primeira vez que a vi. Havia um desfile cívico e a antiga guarda…

_à francesa (ou "aos cegos") [poema]

olhei pro horizonte
vi janela incerta

olhei para as ruas
vi árvores nuas

olhei para o céu
vi nuvens iguais

olhei para o carros
vi pessoas escondidas

olhei para mim
vi marcas mudas

olhei para o rio
vi sujeira infecta

olhei para a mulher
vi beleza crua

olhei para a música
vi palmas receosas

olhei para a maca
vi machucados oxigenados

olhei para os anões
vi pássaros enjaulados

olhei para a guerra
vi canhões feridos

olhei para os líderes
vi mártires calados
***

ML, novembro, 2005

_possibilidades [poema]

"Ele faria da queda um paço de dança, do medo uma escada, do sono uma ponte, da procura um encontro" (Fernando Sabino, in O encontro Marcado)



pode ser que eu sinta
pode ser de pronto
talvez seja uma procura
talvez um encontro
pode ser que eu viva
pode ser o fim
talvez não seja a sorte
talvez seja, para mim
pode ser que eu acorde
pode ser que eu esqueça
talvez seja apenas o frio
talvez, alguém que me aqueça
pode ser uma dança
pode ser
talvez eu dance
talvez, dance
pode ser que eu finja
pode ser que eu respeite
talvez eu veja
talvez eu seja
pode ser apenas medo
pode ser desejo
talvez seja respeito
talvez seja momento
pode ser ilusão
pode ser bonito
talvez seja no chão
talvez seja um mito
pode ser real
pode ser ruim
talvez seja estampa
talvez seja carmim
pode ser uma flor
pode ser cerveja
talvez seja calor
talvez seja cereja***novembro de 2005