Pular para o conteúdo principal

_sustância [poema?]

relógios relógicos
Substância do tempo
instância do instante
prismas numéricos

ponteiros pesados
apontam, persistem
perfuram a massa
insustentável
da vida passando
entrando
saindo
andando

sombra solitária
navegando terra adentro
procurando um refúgio

lunar


dígitos despidos
repetem
repetem
repetem
concordam contínuos

relógios, relógicos
parados
não mudam o tempo
a nos comer


***

Comentários

Talita Pinheiro disse…
Comer?
Penso em alguma coisa como engolir sem mastigar. Sabe, o tempo passa e parece que este embalo nada faz além de dar um puta sono. Letargia. Ou sei lá.
Vodca por favor...
marina moreira disse…
Mauro seu danado...
Esse poema também é meu, lembra?
Acho que a gente escreveu na praia e foi tomando cerveja.
É verdade! Desculpe, para vc ver que nem de tudo eu sei quem quer a autoria... rs.

Beijos. Te amo.

Mauro

Postagens mais visitadas deste blog

_meu filho é maconheiro (conto)

- Mariuza, estou absurdada!
-Ah, Paulinha, eu tenho certeza, ele fuma maconha. Desgraçado, eu sei que ele anda fumando por aí!
- Mari, chega. O que é isso? Você com tanta desconfiança de seu próprio filho? E olha: se eu conheço bem ele, menino tão bom, tão gentil e educado, trabalhador, nunca te deu dor de cabeça… ele nunca ia fazer uma coisa dessas. Eu tô com a Paula: é um absurdo você pensar isso do Juninho. E vê se pára de chorar e se acalma.
- Claudinha? Você também? Eu não acredito. Criei o menino com tanto amor, com tanta dedicação, dei minha vida para ele, e o que ele faz? Vai fumar maconha, o vagabundo!
- Eu é que não acredito! Você fala como se o menino fosse um bandido, um marginal. Como pode você falar uma coisa dessas. É só olhar pra cara dele… nunca fumou nem vai fumar isso. Pára com essa desconfiança besta, Mari, teu filho é um ótimo rapaz, saudável, inteligente, tem a namoradinha dele, foi tão bem criado. Eu acho que você está preocupada à tôa.
- Vocês, tias, não sabem,…

_breve romance daquela mulher [cena psicológica]

Ela me assombra. É inegável. Assombra. Sua presença, seus passos, seu corpo. Assombra. Porra, é mulher do cara, sei disso. Olho daqui. Olho de novo. Ela olha, sei que olha. Está estampado. E isso me assombra. Lembro da primeira vez que a vi. Veio silenciosa na foto colada na parede. Na foto. Depois, casualmente ela apareceu de novo. Veio da boca do cara: minha mulher. O nome soou doce e concreto. Mas de repente flutuou em flatulências daquele idiota. Preferi perder essa imagem. Então ela veio novamente. Primeiro de costas, em um passo curto, urbano, leve. As pernas subiam bem formadas, a calça pouco sobrava acima do limite entre o fim da calcinha e o vácuo imaginário que me permiti fluir por alguns dias. A cintura apareceu feita para abraçar e apertar em carinhos tão puros que seriam até infantis. Vi então sua nuca mal coberta pelos cabelos e os pêlos que pediam: cheirem-me. Me assustou, assim, de costas. Parecia algo que aqui não poderia estar, não poderia existir. Parecia que aquela…